Lumos: 2017

sábado, julho 1

O meu Hey Lá Carapau

Estive fora algum tempo, talvez demasiado tempo, mas como já tinha dito antes, quando as doenças atacam é preciso ter espaço e tempo para recuperar. Não estou recuperada mas estou melhor, por isso é que decidi voltar. Quem me segue no facebook e instagram sabe que estou numa luta com o meu peso, falarei disso num outro post que vai sair durante a próxima semana. Falo-vos hoje da luta de peso porque, sendo época balnear, toda a gente gosta de apanhar sol e eu não sou excepção. Apesar dos meus 21 kgs extra, olhei-me ao espelho e vi que continuava a adorar-me e que não me ia privar de fazer algo que tanto gosto. Decidi então ceder à moda dos fatos de banho e apaixonei-me pela Hey Lá Carapau. A Hey Lá Carapau foi criada pela Joana e pela sua irmã Rita e fazem fatos de banho, bikins e algumas peças de vestuário. A entrega foi bastante rápida e elas ajudaram-me imenso no processo da escolha do tamanho certo, das cores que queria utilizar no modelo que escolhi e foram sempre bastante rápidas nas respostas. Os preços são bastante acessíveis e a qualidade é excelente! Recebi ontem o meu Hey Lá Carapau, numa embalagem linda à qual infelizmente não tirei fotografia de tão entusiasmada que estava! Deixo-vos aqui as imagens do meu novo amor e de algumas fotos minhas com ele, para também mostrar que o nosso corpo é lindo, seja de que maneira for ! Vejam o facebook e instagram da marca e espero que vocês também adorem tudo como eu e claro, quero saber o vosso feedback !







terça-feira, abril 11

O meu testemunho sobre a ansiedade no Blog "Alma de Hygge"

Todos vocês sabem o que eu enfrento com a minha ansiedade. Estou medicada à um mês e as coisas aos poucos estão a melhorar. Ainda não consigo ir ao ginásio, ainda não consigo conduzir, ainda não consigo estar em sítios com muita gente, ainda tenho dias maus. Mas também tenho dias muito bons, como foi o caso de domingo, quem me segue no meu instagram pessoal sabe do que falo (quem não me segue pode sempre começar a fazê-lo, teria todo o gosto em vos conhecer), mas deixo isso para um próximo post. Hoje vim aqui deixar-vos o testemunho que fiz para o blog Alma de Hygge. A Liliana é uma amiga minha que teve a coragem de arriscar e de criar o seu blog, é uma querida e é uma jornalista fantástica, estudamos juntas e estamos cada vez a conhecer-nos melhor. Depois de ver o meu relato sobre a ansiedade, a Liliana pediu que escrevesse para o seu blog um testemunho. 
Gostaria imenso que fossem ao blog e vissem, dessem a vossa opinião e claro, que comecem a seguir o trabalho fantástico da Liliana. 

Deixo então aqui o link do blog onde podem encontrar o texto, que mais tarde irei publicar aqui. 
Deixo-vos também a página de facebook do blog onde podem conhecer melhor a Liliana. 
Fico à espera da vossa opinião :)

quinta-feira, abril 6

A Cat recomenda || Insidious

Sim, julguem-me se quiserem, ando numa de filmes de terror. É mesmo um género que adoro mas infelizmente são poucos os filmes de terror de boa qualidade.
Já tinha visto o Insidious à uns anos mas esta semana voltei a ver e adorei. Está muito bem conseguido e fala de uma coisa da qual eu acredito imenso. 
Ainda tenho o 2 e o 3 para ver e está para breve e admito que estou extremamente curiosa.
A primeira parte desta história estreou em Julho de 2011 em Portugal e conta com dois nomes bem conhecidos, Rose Byrne e Patrick Wilson.
Acho que o filme está mesmo bem conseguido e acho que é um óptimo filme para os amantes de filmes de terror/suspense. 

Deixo-vos a sinopse e o trailer do filme.
"Uma família, que acabou se me mudar para uma casa nova, descobre que um espírito maligno está dentro de casa ao mesmo tempo que o filho do casal entra em coma de maneira inexplicável. Tentando escapar das assombrações e para salvar o menino, mudam-se novamente e percebem algo que os deixa desesperados: não era a casa que estava assombrada..."



Quem já viu o filme?
Que filmes me sugerem?

quarta-feira, março 29

Açucaródependente

Já que isto é um sítio para se admitir coisas e eu ando numa de não esconder nada, vou admitir-vos mais uma. Estava eu ontem com o meu lindo rabo gordinho alapado no sofá a ver "revenge body" a enfardar um saco de amêndoas de chocolate, quando uma das treinadoras fala de um problema grave: a dependência que o açúcar cria e a ressaca que o corpo sofre quando se começa uma dieta e o exercício físico regular. Vai daí que enfardo mais uma amêndoa e penso "olha aquela é como eu, viciada em açúcar, a única diferença é que ela está a ficar magra e saudável e eu aqui a dar mais uma facada na dieta". Como quem não quer a coisa mandei uma mensagem à minha mãe a dizer que tenho um vicio já muito conhecido por ela, digo pois então que devia ir para a reabilitação. Sem efeito ela apenas me responde um "Lol". No meio do meu jantar saudável eis que abordo o assunto ao que ela me diz que eu já não tenho remédio, que nem a reabilitação me ajudava porque eu só aprendo quando paro no hospital com uma crise tão grande que me faz dizer que se bater a bota as minhas coisas são todas para a Gui. Minhas caras e meus caros eu sou tão viciada em açúcar que quando existem festas nas aldeias da minha grande cidade eu vou a correr para a barraca dos doces e saio de lá tão contente como quando o meu grande Porto marca um golo. É amor senhores, é amor verdadeiro. Eu amo doces e sempre me disseram para encontrar alguém que olhasse para mim da maneira que eu olho para o empregado do restaurante quando me trás a sobremesa. Aquele olhar sexy, de amor verdadeiro, mas isso não interessa. O que importa aqui é que não os posso comer, não só porque o número da balança sobe e sobe como o balão do João mas também porque a minha doença me impede de o fazer. Mas mesmo assim sou burra velha e não aprendo e passo a vida a sonhar com os waffles com gelado do Burger king, com os Mc Flurry de snickers, com os croassants do Bom gosto e o iogurte com pintarolas e chocapics e cobertura de chocolate branco do meu café preferido. Já para não falar do meu caso amoroso com tudo o que seja bolo feito pela minha avó ou mãe, qualquer outro tipo de bolo que esteja disponível nas minhas pastelarias preferidas, os gelados, as bolachas húngaras, os crepes e as panquecas recheadas de nutella. Valha-me Deus, o Crohn e os diabetes que estou quase a ter que isto não é assunto para brincadeira. Sabe deus às vezes que levo na cabeça por causa deste vicio. É a nutricionista, a minha PT, a médica de família, os médicos que me seguem nas doenças auto-imunes, são as minhas amigas, a minha família. E com toda a razão que a minha vidinha corre sérios riscos por causa desta minha dependência. Então agora decidi que vou levar a minha dieta a sério outra vez. Que se acabaram os doces. Que isto é para o meu bem, para não ter mais dores e ficar toda jeitosa no bikini em Agosto. Por isso mãe relaxa, já não precisas de esconder mais comida de mim que agora vou comportar-me como a pessoa adulta e doente que sou.

Sou a Catarina e sou açúcaródepente e a minha ressaca começa aqui.
É de ressalvar que Deus me castigou e engordei 2 kgs não só por causa da medicação mas por andar a abusar no que não devo comer e pior que isso, o raio da saca das amêndoas fez-me ter dores tão fortes ontem à noite que me fez dizer mal de todos os meus pecados e rever novamente o meu testamento.

quinta-feira, março 23

A Cat recomenda || A autópsia de Jane Doe

Sou uma aficionada por filmes, acho que vejo um pouco de tudo mas as comédias e os romances têm um lugar muito especial no meu coração. Mas como durona que sou, também gosto bastante de filmes de terror. Eu digo que sou uma durona mas na verdade sou uma medricas e naquelas partes mesmo assustadoras sou a primeira a amarrar-me à almofada ou a tapar um olho com o cobertor. Ontem vi com uma pessoa muito especial o filme "A autópsia de Jane Doe" e tenho a dizer que é brutal! Um filme em que o suspense lidera e sinceramente acho que está bastante bem conseguido. Infelizmente alguns filmes de terror são forçados e este não é o caso. Preparem a almofada, o cobertor, o braço do namorado, o que quiserem, porque em certas partes acreditem que vão precisar! O filme é de 2016 e tem a duração de 86 minutos, com classificação para maiores de 16 anos. Deixo-vos aqui a sinopse do filme e o trailer. 

"Tommy Tilden e o seu filho, Austin, são médicos-legistas numa pequena cidade norte-americana. Numa noite igual a tantas outras, aparece-lhes o corpo de uma jovem não identificada. Foi brutalmente assassinada sob estranhas circunstâncias e encontrada na cave de uma família. À medida que pai e filho vão avançando com a autópsia, numa tentativa de descobrir as causas de morte da rapariga, dão-se conta de alguns factos perturbadores. E o mais inquietante de todos eles é que a vítima pode não estar realmente morta…"


Espero que gostem e depois deixem aqui a vossa opinião! 

sexta-feira, março 17

Senta-te aqui, vamos conversar

"Senta-te aqui, vamos conversar"
E o mundo desaba. Aquele mesmo mundo que já desabou à tanto tempo que nem te lembras de alguma vez o ter visto de outra maneira. Não paras quieta e já toda a gente percebeu que algo se passa. Que és diferente. Que fazes os outros rir para tentar extrair deles alguma felicidade. E isso falha. E tu voltas para casa, sozinha, vazia, com medo. Deitas a cabeça na almofada e aqueles pensamentos que não pararam durante o dia, intensificam-se ainda mais agora. E tu imploras. Imploras mais e mais e não passa e as lágrimas caem, e o sufoco fica cada vez maior e depois o vazio. E depois ficas sem ar. E depois o medo e o chão frio e tu deitada lá a pensares o que raio ainda estás aqui a fazer. E quando te perguntam "De que tens medo?" nem sabes o que responder. A lista é enorme. De tudo. De sair, do sol, da chuva, do riso dos outros porque não sei o que é rir. De estar sozinha, de estar rodeada de pessoas. Da minha sombra. De ti. Do mundo. Deles todos. De mim.
Mas o que mata mesmo é o "Como te sentes?". Triste. Com medo, sempre com medo, com medo do medo até. Sozinha. Vazia. Em pânico. E lá vem ele outra vez, o sorriso falso e a resposta forçada, Estou bem obrigada. E a voz falha, o buraco fecha e o ar já se foi, já estás encolhida outra vez no teu mundo. E as perguntas começam. Ainda demoramos muito? Vais-me deixar sozinha? Podes vir comigo? "O que te acalma?" Nada. É tudo uma dor constante, um pânico que sufoca, um medo que me gela até aos ossos. A minha cabeça não pára. Eu bem que lhe imploro que ela me deixe dormir, que pare nem que seja um segundo. Deve ser bom ter um segundo de paz, mas já não sei o que isso é. E é quando olhas nos olhos das pessoas que mais amas e vês o desgaste delas por estares assim que percebes que precisas de ajuda. Que o medo já não é só medo e muito menos só o teu medo, o pânico já não é só pânico e das coisas pequenas passou para aquelas que nunca pensaste e a ansiedade já tomou conta de ti totalmente. 

"Senta-te aqui, vamos conversar"
O meu nome é Catarina e preciso de ajuda, Estou doente. 
E assim começa e nunca acaba o dia a dia de uma pessoa que sofre de ataques de ansiedade e de pânico. Cada dia é uma luta, cada ataque uma grande batalha. Poucos entendem mas só quem passa por isto é que sabe o horror que é viver com esta doença todos os dias. 

terça-feira, março 14

Desculpa, obrigada por tudo e adeus

Quero que saibas que esta vai ser a última vez que te escrevo. O tempo passa mas as memórias continuam todas aqui, parece que não aprendi nada com o que passei antes de apareceres. Tudo o que nunca vais dizer é que me amas, e isso era tudo o que eu queria ouvir. Desculpa ter sido como fui. Desculpa as pressões, os dramas e os filmes. Desculpa não ter aproveitado mais, desculpa não ter rido mais, de não ter dado mais, de não ter mostrado mais. Desculpa não esquecer o teu sorriso, aquele pelo qual me apaixonei mal entrei no teu carro no nosso primeiro encontro, desculpa não conseguir esquecer o teu toque. Desculpa não parar de ouvir a tua voz à noite quando deito a cabeça na almofada a dizer "fácil miúda" e desculpa os meus olhos por te procurarem em todo o lado. Desculpa o meu coração por ter sido impaciente pelo teu amor, mas desculpa principalmente eu não conseguir esquecer o tom da tua pele, as tuas marcas, o teu cheiro. Desculpa não ter dito que era a tua teimosia que me deixava louca e que me fazia amar-te cada dia mais. Desculpa não conseguir gostar de ouvir o meu nome como gostava quando chamavas por mim. Desculpa não conseguir sorrir e descer as escadas tão rápido como quando sabia que estavas à minha espera. Desculpa todas as músicas em que chorei por ter saudades tuas e desculpa ter-me apaixonado por ti mal te vi pela primeira vez. Desculpa-me por ter sido mais quando devia ter sido menos. Desculpa, a sério desculpa por não me conseguir entregar como me entreguei a ti e desculpa o facto de não conseguir esquecer. Mas acima de tudo desculpa-me porque sei que um dia já não vou sentir o teu cheiro, já não me vou lembrar da tua cicatriz do lado direito da cara, já não vou saber a que sabe o teu toque e já não me vou lembrar do timbre da tua voz a dizer o meu nome. Eu não quero agora mas eu sei que vou esquecer todas as brincadeiras, todas as conversas, todos os planos e vou esquecer as viagens onde ouvíamos músicas parvas que me faziam rir até a barriga me doer. Desculpa ter o coração partido e desculpa dizer-te adeus. Desculpa nunca ter tido a coragem de ter dito que te amo, e caramba, como te amo. Desculpa, obrigada por tudo e adeus, Esta é a última vez que te escrevo e se algum dia te perguntares por onde ando, pensa que vou estar a decorar um novo rosto, um novo cheiro, um novo toque, uma nova maneira de ouvir o meu nome, Vou estar numa rua a rir de músicas parvas e a brincar com outra pessoa. Vou estar a descer as escadas ainda mais rápido e com um sorriso ainda maior, com novos planos e sonhos que se vão realizar. Vou estar preocupada com outro coração, com outros dramas e filmes, com uma respiração diferente da tua e a chorar por outros motivos. Se algum dia quiseres saber onde estou, lembra-te que estive do teu lado enquanto quiseste e que estive por perto mesmo quando me deixaste sem chão, mas que fiz da minha casa outro coração que não o teu. Desculpa por tudo, obrigada por tudo e adeus. Amo-te, mas esta é a última vez que te escrevo, e se assim é, que seja para te dizer que te amo e que espero que saibas que fiz tudo o que conseguia. A minha casa já foi o teu coração, mas agora a tua casa é o coração de outra pessoa e assim será também comigo. 

Desculpa, obrigada por tudo e adeus.
Amo-te, mas fui esquecer-te e fazer de outro coração a minha casa. 


terça-feira, março 7

Esta minha ausência maldita

Estive desaparecida estas ultimas semanas porque a minha saúde não me permitiu outra coisa. As dores ficaram mais fortes e o meu corpo e a minha cabeça não aguentaram mais. Fui à médica e ouvi coisas que ninguém quer ouvir a um sábado de manhã. Na segunda-feira antes do carnaval fui trabalhar, falei com o meu chefe e disse que pelo menos durante um mês ia ficar em casa de repouso. O resto da semana foi passado a correr para o centro de saúde por causa da baixa e a tentar relaxar um pouco. Como não tenho muitas defesas e qualquer coisa me pega, este domingo lá fui eu para o centro de saúde novamente mas desta vez por causa de uma amigdalite grave com direito a antibiótico durante 7 dias de 8 em 8 horas. Como podem ver, a minha vida está uma animação neste momento. O que me salva é que tenho gente maravilhosa ao meu lado e que me enche de força, amor e o maior apoio do mundo. Ás vezes a vida obriga-nos a parar, a reflectir sobre as nossas escolhas e a tomar decisões. Eu tomei a decisão de me colocar em primeiro lugar e cuidar do meu corpo e da minha alma. Até me sentir completamente recuperada, vou viver rodeada de amigos, família, filmes, séries, amor, fotografias, passeios a lugar bonitos e claro, vocês. Podem contar com posts mais regulares sempre que a minha saúde assim o permitir. E desculpem esta minha ausência, mas as poucas forças que tinha e tenho tiveram de ser usadas para resolver outros problemas. Agora vamos a isto, novos posts, novas aventuras e uma saúde a ser melhorada ! Posso contar com vocês ? :)

http://catarinaslg.tumblr.com/

segunda-feira, fevereiro 13

Tu és a coisa menos cool do mundo | Ansiedade

Parece que não vives sem mim mas eu vivia muito melhor sem te ter comigo todos os dias. Pior do que ser todos os dias? É ser a todas as horas. Tu sufocas-me, fazes-me sentir a maior inútil à face da Terra, usas e abusas de mim como se eu fosse uma marioneta e eu estou cansada. Estou farta do pânico, do medo, de passar as noites a olhar para o tecto do meu quarto, de chorar até não ter mais água no corpo quase, de me sentir assim vazia. Estes ataques deixam-me num buraco tão negro que às vezes nem acredito que existem outras cores. Eu não sei o que queres de mim mas eu sei que não te quero mais comigo. Por isso vai-te embora. Deixa a minha cabeça descansar. Deixa-me voltar a ter vontade de sair, falar, rir até não aguentar mais, deixa-me ser feliz novamente. Desta vez vou ser mais forte que tu e vou procurar a ajuda que preciso para me livrar de ti. Desta vez eu vou ser a vencedora, nem que demore meses, anos. Desta vez eu vou-te dar voz e atenção mas no final serás mais um problema que eu consegui ultrapassar. E como o primeiro passo é admitir que se está doente, então eu admito. Sofro de ansiedade e é a coisa menos cool do mundo. 




Este vai ser um tema a que vou dar o máximo de destaque possível aqui no Blog. Caso tenham alguma dúvida, por favor deixem um comentário ou podem falar comigo através das redes sociais. 


sexta-feira, fevereiro 10

Parabéns papá 💙

Heróis existem muitos. Super heróis existem poucos. Pai como o meu, mais nenhum. Ele não usa capa, usa óculos que o ajudam a ver o mundo de uma maneira que espero um dia ver também. Usa uma armadura que o faz ser mais forte a cada dia que passa, que só ensina que é possível ir ao inferno, voltar e sobreviver. Ocasionalmente usa um fato de bodyboard e passa a ser um super herói marinho. Nas noites em que a fome aperta, o meu pai torna-se o herói dos meus melhores amigos com batatas e coberturas extra que sabem a amor e "adoro o teu pai, é tão fixe!" O meu pai é sorrisos que apaixonam, olhares profundos, abraços que confortam, palavras que ensinam, brincadeiras que fazem esquecer o que é mau. O meu pai é orgulho e esperança, luta e persistência, amor e gratidão. O meu pai é aventura e dedicação, é proteção e "deixar o mundo sempre um pouco melhor". O meu pai é lenço verde escuro e Chefe Vieira, é Bob Marley e água saldada. O meu pai é bons livros, muita cultura e grandes filmes. O meu pai é Range Rovers e viva o Porto carago! O meu pai é ensinamentos e palavras que doem na hora mas que confortam depois. O meu pai é valores e família, é tudo de bom que existe no mundo. O meu pai é tudo aquilo que eu um dia espero vir a ser. O meu pai, e como é tão bom e tão bonito poder dizer isto tantas vezes e tão orgulhosamente e cheia de um amor tão grande que não cabe no peito, o meu pai! Uma palavra tão pequenina e com tanto significado que eu ainda não compreendo todo mas que vou compreender um dia e com ele ao meu lado. Um obrigada não chega, e todas as palavras bonitas do mundo são feias para tudo aquilo que tenho para te dizer de tão belo. És o meu super herói, o amor da minha vida, o meu rei, o meu tudo. O meu pai é o melhor mas é só meu e da Gui e caneco, que deus me leve tudo na vida menos a alegria de o ter ao meu lado todos os dias. És o melhor do mundo velhote, nunca te esqueças disso. Ah, e papá? Parabéns, os 45 nunca assentaram tão bem em alguém como a ti 💙


terça-feira, fevereiro 7

Oportunidades

São muitas as coisas que me partem o coração. Sendo que a principal é quando quero muito um bolo e ele está esgotado. Obviamente que estou a brincar, até porque apesar de adorar bolos não os posso comer e se de facto fosse isso a coisa que mais me parte o coração, algo de muito errado se passaria comigo (mais ainda). O que me parte o coração são os trabalhos e as condições oferecidas. Sempre tive a sorte de trabalhar. Trabalhei quase 2 anos no Pingo Doce, tendo começado enquanto estudava e passado 6 meses do meu curso ter terminado, fizeram-me uma proposta para um lugar a tempo inteiro numa empresa. A questão é que não é o meu sonho e eu acho que se deve lutar até ao fim, então, também ando metida na batalha do "Mandar CV ou não mandar?". Mando sempre e na semana passada obtive uma resposta para um "emprego" na minha área. A proposta consistia em trabalhar 3 meses, num género de estágio, 8h por dia, de segunda a sexta, por 200€ mensais. Fiquei logo desanimada. Uma pessoa gasta imenso dinheiro para ter uma boa educação para depois receber este género de propostas. Atenção, sei bem que é melhor 200€ que nenhum, que iria ganhar experiência na área, mas e o resto? E as contas que não se pagam sozinhas? Agradeci imenso mas tive de recusar pois de facto esse ordenado não é compatível com as minhas despesas e passado 3 meses iria ficar sem receber fosse o que fosse. É triste passar por tanto, lutar tanto para ter uma boa educação, para sermos os melhores e conseguirmos ter a sorte de encontrar um trabalho que se goste, que seja estável e rentável, quando na verdade a maior parte das oportunidades não passam disto. Podem achar que estou a ser uma ingrata e provavelmente se não tivesse contas para pagar, eu era a primeira a aceitar mas é desencorajador para quem sempre sonhou com um determinado emprego não ter oportunidades para mostrar o que vale e quando as tem não ser recompensado por isso. É uma luta velha e que não vai mudar só por eu escrever este texto, mas espero um dia olhar e ver que tudo está diferente e melhor. Até lá a batalha de mandar CV continua. O sonho comanda a vida, não é? Vamos lá ver para onde este meu sonho me levará um dia. 




quinta-feira, fevereiro 2

La La Land, e o Óscar de "arrebatou o meu coração"

Pára tudo! Quem gosta de musicais e de uma boa história de amor que se sente, quem não gosta que se sente também porque meus amigos e minhas amigas o La La Land arrebatou o meu coração. Sou uma aficionada por musicais, aqui me confesso, mas nunca pensei vir a gostar tanto de outro musical como gosto do velhinho e maravilhoso Moulin Rouge. Tendo no elenco a Emma e o Ryan que são dois dos meus actores preferidos, sabia desde aí que poderia ser bom mas não assim tão bom. Uma história de sonhos, de lutas, e conquistas, de amor, e quem não gosta de uma história de amor que nos transporta para outro lado ? Os comuns é que são os valentes, os apaixonados, os lutadores e este filme faz-nos querer ser tudo e mais alguma coisa. Ainda não consigo dizer muito mais que isto a não ser que quero mais e que podem entregar todos os Óscars a este filme que me roubou o coração. Corram para o cinema meus senhores, com pipocas e coca-cola e saiam de lá cheios de sonhos e de esperança, que é disso que este mundo precisa.  

E ouçam isto que é o céu na terra. 

segunda-feira, janeiro 23

obrigada


Ontem partilhei com as minhas melhores amigas o que ando a sentir ultimamente. Não é um assunto fácil e sei que elas já tinham percebido que algo de errado se passava, mas decidiram dar-me tempo e espaço para que fosse eu a dar o primeiro passo. A atitude delas e o facto de saber que elas vão fazer da minha luta a delas, fez-me sentir tão amada e valorizada que o meu coração quase explodiu com tanto amor. Hoje sinto-me um pouco mais leve porque agora não preciso mais de usar uma máscara, pelo menos não com elas. Um dia vou agradecer a todas essas pessoas individualmente aqui, mas hoje vou guarda-las no melhor sítio e que é só meu, o coração. Todo este apoio só me faz ver a sorte que tenho e o quão raro é encontrar pessoas assim tão boas. Sou sem dúvida uma sortuda e sabe bem dizer e sentir que apenas a opinião delas importa. Irei partilhar este assunto com vocês, mas primeiro tenho de ver quais são os meus limites sobre este tema. Se uma doença já é difícil, com duas será muito mais. Gratidão é sem dúvida a palavra de hoje. 

Por falar em doenças, pensei em partilhar por aqui o meu plano alimentar e talvez o plano que sigo no ginásio, que têm imensos exercícios que podem ser feitos em casa. O que acham disso?  

sexta-feira, janeiro 20

Doença de Crohn | O que decidi mudar em mim

Desde que fiquei doente que decidi que alguma coisa tinha de mudar. Tinha de mudar a minha alimentação, mas principalmente a minha maneira de pensar sobre o que se passava comigo. Mas hoje vou falar-vos do que mudei para ajudar o meu corpo. O meu peso sempre foi mudando, estive extremamente magra, porque o meu corpo nem uma sopa aguentava e estive (e estou) extremamente gordinha. Atenção que quando digo que estou extremamente gordinha é para a minha altura e principalmente para a doença que tenho. Ainda antes de saber o que tinha decidi começar a ser seguida por uma nutricionista e decidi inscrever-me no ginásio. Durante 2 meses ia religiosamente 5 vezes por semana treinar, cheguei a emagrecer e sentia-me melhor em todos os aspectos. Quando troquei de trabalho abandonei tudo. O mau estar voltou, voltei a não conseguir dormir, as dores apareceram em força. 6 meses depois de ter desistido, voltei em força à "dieta" e ao ginásio. Vai ser uma verdadeira luta porque tenciono perder 14 kgs. Pode não ser muito à vista de uns, mas para as pessoas doentes como eu pode ser bastante complicado. O stress não me deixa emagrecer, o não dormir também não e nos dias em que estou cheia de dores não consigo treinar nem cumprir o meu plano alimentar. Quanto à "dieta" só me custa por ser uma pessoa extremamente gulosa, mas já aceitei que tenho de deixar isso para outra pessoa. Decidi mudar e decidi ser a melhor versão de mim mesmo. Hoje vou fazer o 3º treino da semana e amanhã farei um novo plano físico. Vamos lá ver se é desta que o força, foco e fé passa a ser a minha hastag de eleição no instagram

Como o blog está no início, os post ainda são um pouco genéricos. Tenciono partilhar convosco tudo o que conseguir sobre este assunto porque posso conseguir ajudar alguém, e isso aconteceu com a minha última publicação e fico muito feliz! Prometo que dentro de pouco tempo este tipo de posts vão ser cheios de conteúdo e ajuda, ajuda essa que eu também estou a ter dos profissionais que me acompanham e das pessoas que são o meu pilar todos os dias. Se tiverem alguma questão que me queiram colocar, alguma ideia sobre algum post, por favor partilhem comigo! E obrigada por todo o apoio que tenho recebido por aqui e pelas redes sociais do blog e particulares. Vocês são mesmo o melhor do mundo :) 


quarta-feira, janeiro 18

Doença de Crohn | Sobre ter uma doença auto-imune

Tenho uma doença auto-imune. Dito assim até parece um daqueles segredos manhosos da casa dos segredos, mas juro que é verdade. Demorei 5 anos para saber o que tinha e durante todos esses anos o que mais disseram aos meus pais era que eu queria atenção. Aos poucos os médicos começaram a ver que atenção era coisa que não me faltava e o que eu precisava mesmo era de ajuda, afinal alguma coisa se passava comigo. Vómitos, dores de estômago, crises de vesícula, idas ao hospital com direito a todo o tipo de drogas fixes que raramente faziam efeito, consultas e exames até perder a conta. 5 anos depois, descobriram que tenho uma doença auto-imune, a doença de Crohn. Foi uma das coisas que 2016 me trouxe e não a considero má porque finalmente sei o que tenho. Acabaram-se as incertezas, acabaram-se os pensamentos do "tu queres é atenção", vieram os pedidos de desculpas e os "agora tens de ter ainda mais cuidado". Ao longo do tempo vou explicar-vos em que consiste a doença e o que faço para a tentar controlar. Nem todos os dias são bons, mas todos os dias são de luta. É preciso alguma coragem para dizer em voz alta que se está doente e acho admitir que estamos doentes é um grande passo nas recuperações. A minha doença não tem cura mas não desanimo com isso, faz com que ainda acredite que um dia será possível. A força, o foco e a fé são palavras de ordem no que toca a este assunto, e é como dizem, o que não nos mata torna-nos mais fortes!

segunda-feira, janeiro 16

1 ano depois

Ontem fez 1 ano que fiquei licenciada no curso dos meus sonhos, Ciências da Comunicação. Foi um caminho duro, difícil mas agora vejo que o caminho mais difícil é este que estou a percorrer agora. No meu e-mail conseguem ver-se imensos currículos enviados e zero respostas. Tenho a sorte de ter um emprego, mas custa cada dia mais fazer algo que não foi para o que estudei. Desde que me lembro que quero ser jornalista, a primeira palavra que li foi num jornal, como acredito muito no destino, aquilo foi só o primeiro sinal. Só me sinto bem a escrever, a comunicar, a fazer os outros rir e a ajudar. Um dos meus maiores lemas é Insistir, Persistir e nunca desisti. Acredito que um dia a minha grande oportunidade vai aparecer, até lá resta-me continuar a lutar. Sei que infelizmente são cada vez mais pessoas na minha situação, mas um ano passado e começa a ser cada vez mais difícil manter o ânimo. 


sábado, janeiro 14

Este dia vai ficar marcado para sempre na minha memória como o dia em que criei o meu novo blog. O My favorite what if foi uma das melhores experiências que tive, com ele cresci e aprendi mas o Lumos é algo muito pessoal e pensado. Para quem não me conhece sou a Catarina, tenho 23 anos e sou uma típica rapariga do norte. Sou licenciada em ciências da comunicação e desde pequena que sonho em ser jornalista, sendo que o que mais quero é trabalhar em rádio. A fotografia é uma grande paixão minha e a minha companheira é a Chiquinha. Sou uma Potterhead assumida e dedico maior parte do meu tempo a ler livros. Este blog vai ser a minha casa, entrem e sintam-se à vontade porque ganharam uma nova amiga.